quarta-feira, 16 de março de 2016

Piense como un Gran Maestro - A. Kotov

Este precioso livro de xadrez não tem tradução em português. É um dos maiores clássicos da literatura enxadrística internacional.
Kotov (Aleksandr Aleksandrovich Kotov, 1913-1981, URSS) era soviético e um enxadrista brilhante. Foi campeão soviético em 1948, mas nunca foi campeão mundial. 

O livro tem como objetivo ajudar o enxadrista a chegar a posição de "GM", Gran Mestre. O foco é a necessidade de aprender a dominar a arte da "análise". Quando temos a anotação de uma partida de xadrez, podemos reproduzi-la, analisando jogada por jogada. Assim, vamos aumentando nosso "repertório enxadristico", observando erros já cometidos e não repeti-los.



O livro é dividido em cinco partes: Análise das variantes, Juízo Posicional, Planejamento, O Final e O Conhecimento de um Jogador. Tudo é ilustrado com dezenas de diagramas de tabuleiro.
Kotov ficou famoso pela criação, neste livro, da chamada "árvore de análise". Trata-se de uma espécie de diagrama, onde anotamos as jogadas da partida em "ramos". O tronco da árvore é a jogada principal que estamos considerando; os ramos são jogadas secundárias, e seu número depende da posição do jogo naquele momento. 



Alguns enxadristas famosos consideraram essa invenção revolucionária e outros a têm como ultrapassada com o advento dos grandes programas de computador de análise de xadrez, cujo mais famoso se chama Fritz.

De qualquer forma, temos que a análise das partidas é de suma importância para o enxadrista, tanto das suas como de disputas famosas. É um caminho de evitar erros e conhecer acertos. O xadrez é muito mais que um jogo: é uma grande arte, que exige do enxadrista o uso de diversas capacidades mentais: lógica, memória, criatividade, iniciativa, coragem de arriscar, etc.



Hoje em dia se sabe que o xadrez trás muitos benefícios à saúde mental e ao processo de aprendizado, particularmente de matemática. Na Romênia, por exemplo, o ensino de xadrez nas escolas é disciplina obrigatória; e quanto mais cedo se aprende a jogar, melhor é. 

O xadrez parece monótono para quem assiste "do lado de fora", mas é muito excitante para quem está jogando. Existem quase infinitas possibilidades de jogadas e formas de jogar. Não há "sorte" no xadrez; tudo é decidido na habilidade mental, na capacidade do jogador de formular uma configuração de peças que capture o rei inimigo. Acredito ser um jogo muitíssimo superior ao jogo de damas, que é muito mais popular, certamente por ser mais fácil. 

A edição que temos disponível para compra pela internet é da coleção Club de Ajedrez, da editora espanhola Fundamentos/Aguilera.